Ana Diório

Soneto atípico


Ele é diferente em métrica, versos e rima

Ele é atípico, não fixo, invertido

Ele é de debaixo para cima


Sabia que não era igual

Sentia a diferença ao seu redor

O mergulho sempre profundo, só assim se sentia melhor


Na confusão entre três e quatro

Não era aceito na literatura e nem na matemática

Expulso da escola logo cedo

Se encontrou nas artes plásticas


Quando tudo parecia estranho

O pensamento ficou arborescente

E mesmo sendo atípico

Quis lembrar: ei, sou um soneto divergente