Ana Rodrigues

Divagações


E pensar que toda revolução cabia dentro de mim.


Anos amornados na forma,

Décadas sem obedecer a um rumo certo,

Eu seguia assim,

Acreditando no mínimo, sorvendo o pouco,

Que deveria me sustentar de paz.


A alexitimia me enganava:

Não havia paz, não havia sossego;

Só existia dor e solidão.


Quantas falsas verdades podem cristalizar uma mentira? Nenhuma!

Ela se desfaz -tal como poeira de vampiro-

Quando surge o mínimo feixe de luz... do autoconhecimento.


E a forma amoldada

Nas palavras amordaçadas,

Num mutismo defensor,

Revolteou-se neurodivergente,

Que, como espectro parece confuso,

análogo às imagens do caleidoscópio,

Mas que são, como devem ser,

Um padrão cromático que só agrada a quem tem olhos para ver.