Bárbara Moreira

Todos em quebra-cabeças


Todas as pessoas podem ser o amor da minha vida

Eu noto quando me pergunto sempre que falo com alguém novo

Se essa conversa vai seguir ininterrupta ou se vai acabar já já

Eu sei como é a sensação esquisita no fundo do estômago que me dá

Mas como é que a gente descobre que isso tá se construindo no outro

Despontando devagarinho

Talvez eu nunca entenda o que são as entrelinhas do não dito


Todas as pessoas podem ser meu melhor amigo

Eu noto quando começo a abrir a boca sorrindo e as mãos balançam por trás

A cabeça pensando ligeiro e tanto novo parágrafo para dizer

Repete a informação, o fôlego curto de tanta palavra e os pés dançando

“Você se empolga demais com isso, né?”

Ah, é mesmo. Eu me empolgo demais com isso.

Talvez eu não possa ser a melhor amiga de todas as pessoas


Todas as pessoas podem ser as pessoas que são

Eu noto quando elas andam de cabeça erguida e olham ao redor

Não sei o que elas estão olhando e também não sei estar acima do chão

E elas conversam em grupos sabendo a hora exata de se impor ou calar

Como relógios suíços treinados para interação e que a pilha não acaba

Mas eu escuto demais, sinto demais, animo demais, mexo, não como

Talvez eu não possa ser uma pessoa que é