Filipe Russo

Vela


E se hoje eu te contar a história química

de uma vela? Qual dentre tantas elas?

Uma a uma jorram luminosas celas,

um véu lunar da mais pura alquimia.


Os iluministas preferem química,

a energia se desenrola tão bela e

feita de tantos elos, tantas elas.

Os alquimistas a chamam de física,


sua ardência sobe pelos capilares

do pavio, daí queima a tal parafina,

do sólido ao líquido ao gás tão noir


que bem poderia ser uma endorfina.

Calor e luz são o expandir dos pilares:

a vela é luz grossa, é uma obra prima.