Ian Anderson Gomes Dias

Ser ou ser

Eu nasci sozinho,

E assim sou.

E tenho, acima de tudo, orgulho disso

E caso pergunte, e suspeito que o fará,

Quem eu sou?

Eu sou.

Apenas isso, apenas sou

Quem foi que disse que, ao ser, tenho de ser algo?

Minhas palavras são poucas,

Pois guardo-as a mim mesmo

E se a ti as ofereço, escassas como são,

Aceita, e sabe que mesmo não sendo, são reais

Minhas lágrimas e meus sorrisos são igualmente escassos

E se a ti os ofereço, mesmo que frio,

Aceita, e percebe que mesmo falsos,

Há neles sempre um fundo daquilo

(Perguntas que é aquilo?

Aquilo é, simples assim)

Perguntas por que sou?

Sou porquê.

Brinco. Um porque deve ter um porquê

Sou porque sou

(O que é intrinsecamente diferente de ser porquê)

Se sou quem preciso ser?

Pergunta curiosa, mas não há resposta

Afinal não há nada que eu precise ser

Eu só preciso ser

E eu sou

E isso basta.



O Livro

“Ser ou ser o ser” é uma obra que retrata o crescimento e o amadurecimento do autor, sendo composta por uma série de poemas organizados em ordem cronológica de acordo com sua data de escrita, estando presentes tanto alguns dos meus primeiros escritos como alguns dos mais recentes. Através desses poemas, que retratam desde temas universais até os mais intimistas e pessoais, é possível acompanhar meu desenvolvimento, de um garotinho solitário e facilmente encantado pelas mesóclises e palavras difíceis até um poeta cada vez menos preocupado com pedantismo, forma e métrica e cada vez mais com os problemas reais, como a situação cada vez mais grave do país.

Além disso, a obra é marcada por um evento muito recente: a pandemia de Covid-19, cuja ocorrência pode ser sentida nas porções mais recentes do texto, com poemas retratando a solidão, a ansiedade, e toda a bagagem psicológica trazida por esse contexto. Com isso, as experiências particulares que retratei com esses textos tomam um caráter universal ao inspirarem reflexão sobre temas sentidos por grande parte da população.

A obra também narra indiretamente, de forma quase que autobiográfica, momentos de grande impacto na minha vida, como a lenta superação da dificuldade em se relacionar, a descoberta da minha sexualidade, formação e fim de amizades, isolamento e burnout durante a quarentena, partida para outra cidade rumo à vida universitária, e todos os conflitos e emoções que vieram com esses acontecimentos e que influenciaram a descoberta e redescoberta da minha paixão pela escrita e, consequentemente, minha afirmação como poeta e escritor.