Matthews Osterlund

Sonho-Lúcido

Minha caneta está inquieta

Meus livros batem os pés, ansiosos

As palavras nadam na folha,

Mergulham nas linhas

E às vezes esquecem de voltar

Letras trêmulas e intercaladas gritam

“Ne me quitte pas”