Maximiliano da Rosa

vida

Bem-vinda vida, vívida

Vivaz

Eu vi a vida desvindo, desviando

Vi o desvario

Avistei

Vil desvalor

Ventania desavisada e vilipêndios

Vilões varonis

Vivência válida

Vírus e vadiagem

Vários devotos



O Livro

A verdade é que não sei bem como apresentar o livro. O que posso dizer é que o título reflete o meu estado de espírito nos últimos anos. A pandemia. O desconforto com a prisão, o isolamento.

Muitos dos poemas foram escritos antes, durante e depois da pandemia, incluindo no auge da terceira onda, em 2021.

2021 foi um ano trágico (um dos poemas tem esse título).

Perdi meus pais para o coronavírus com o intervalo de uma semana entre um e outro.

A maioria dos poemas que escolhi a partir de uma leva de muitos outros reflete as minhas angústias, o meu luto. Certo desespero e descontentamento com a vida.

Muitos são sobre a poesia, a arte. Escrever é um meio de libertação, de expor a dor.

Escrever poesia é quase uma terapia.

O último poema, inclusive, é bem biográfico nesse sentido. Chama-se “Sobrevivi” e foi vencedor de um concurso de poemas. Fala sobre esse sentimento de ter passado pela pandemia (toda minha família teve o vírus ao mesmo tempo) e sobreviver.

Sobrevivi.