Uma Mulherzinha Não. Um Mulherão.

UM LIVRO.
50 POETAS CONTEMPORÂNEAS.
MULHERES—URGENTES!

Tutano e outras suculências - Ana Yanca Maciel

A mulher que sou
é de tutano e outras suculências
trago na virilha umas fibras aveludadas
ovário envolto a urucuns chamuscados
o pulso urge esgarçado
como quem escapasse
dessa casa que é o corpo
de carne-palavra
esse que inflama quem o adentra
sarça ardente atravessando a noite
e corre insubordinado
:
fabulando outros corcéis

APRESENTAÇÃO — FLAVIA FERRARI

O que as mulheres querem? Quantas vezes ouvimos esta pergunta. Em forma de piada, pergunta sem resposta, filme de comédia. Quanto não saber caberia em qualquer consideração.

O que nós, mulheres, temos em comum? Temos coletivos, adjetivos, desejos e ódios que podemos expressar. Mas há um tanto que não é dito, silenciado, adormecido, experiências muitas que não encontram imagens ou palavras. E eis que a arte nos atravessa e nos torna autoras, vivas e sobreviventes, para além do tempo e de qualquer espaço que insistimos em não caber.

Como humanidade, convivemos com as faltas, as lacunas, as frestas estruturais que nos machucam, mas não conseguem nos fazer parar de insistir em nossos caminhos. Muitos desses ainda fechados e restritos a nós, mulheres que somos. Sentimos fortemente os vetos, embora velados.

Mas seja na força, no grito ou na palavra, persistimos. Há muitos mundos possíveis, referenciados em cada palavra poética, em cada manifestação artística. Quanto mais pudermos viver e celebrar os nossos nós através da arte, mais enraizadas estaremos. E assim, entre nós, formamos nossa teia.

Mulheres trans, cis, mulheres com ou sem útero, mulheres que menstruam ou não, mulheres com ou sem vulva. Quanta arte faz uma mulher! Somos muitas, múltiplas, uma imensidão. E aqui, nesta antologia, apresentamos algumas de nossas vozes.

Flavia Ferrarri
Educadora. Professora. Poeta.
Autora de Meio-fio: poemas de passagem

POETAS QUE PARTICIPAM

Agnes Hagnys, Ana Luzia Oliveira, Ana Margonato, Ana Marinho, Ana Yanca Maciel, Ângela Maranhão, Arislane Straioto, Ártemis, Betina Ruiz, Boia Gogoya, Carina de Girolamo Falchi, Cátia Castilho Simon, Cintia Bertazzi, Cláudia Gomes, Cristina Parreira, Dama Oliveira, Deni Maliska, Elizete Rodrigues, Érica Nara Nombardi, Fernanda Araújo, Flavia Ferrari, Ian Anderson Gomes Dias, Isabela Cassettari, Isabella Bettoni, Isadora D'Almeida, Ivani Alaminio, Izadora Laner, Jacqueline Lima Coelho Sampaio, Julia Sobral Campos, Kananda Nogueira, Karla Fontoura, Kátia Surreal, Keilla Kalli, Kika Souza Lamounier, Liana Timm, Lilian Farias, Luana Quintas, Márcia Gabrielle Brito Mascarenhas, Maria Elisa S Ribeiro, Maria Teresa Portal Oliveira, Mônica Silva, Mônica Viollet, Nanda Chinaglia, Pâmela Rodrigues, Rosemeire Marcondes Schwartz, Suana Medeiros Silva, Suzane Morais da Veiga Silveira, Valeska Magalhães, Vitória Vozniak, Yara Fers.

POETA HOMENAGEADA — SILVANA GUIMARÃES

Silvana Guimarães. Escritora, nascida em Belo Horizonte/MG, onde vive. Formada em Ciências Sociais pela Universidade Federal de Minas Gerais, foi pianista e especialista em transporte público. Editora da Germina — Revista de Literatura & Arte [www.germinaliteratura.com.br/revista.htm] e do coletivo Escritoras Suicidas [www.escritorassuicidas.com.br]. Revisou e organizou incontáveis livros de poesia alheios. Participou de várias antologias poéticas nacionais e estrangeiras. O corpo inútil (2022) é o seu primeiro livro de poesia. Provavelmente, o único. [sil.guimaraes@gmail.com]