Carla de Paiva

SOMBREADAS

os meus olhos cegos? a fome com que devoro minhas mentirasSOMBREADAS.



fome

na alma

a penúria do vazio

transbordando em olhares secos

frígidos.____________________

a voz desejada, mas esquecida, fingida, não dita.

a voz que poderia ser salvação________________

abro espaço para pecar. parte que sou desse sistema cego, surdo,

mudo. a minha voz engolida é aceitação?___________________

__

adoecidos; fomos contagiados pela pandemia da inércia onde tudo se vê

nada se sente. não cabe sentir. não cabe importar-se. não cabe estender a mão

não cabe ser gente.a fome tem rosto, voz, idade, cor, sonho. sonho? não, a fome não

_______________________________sonha__________________________________

a fome sabe que nada vale sonhar,por isso persiste no doer dentro da amarga realidade__

e a realidade é uma senhora, negra, magra, de olhos espantados, a olhar para os lados______

e remexer no lixo de gente rica. abrindo sacolas de tons azuis, uma de cada vez até encontrar

os restos, as sobras do que serve, não se come, é lixo_________________________________

_____________come com medo de ser vista, como se estivesse roubando

o lixo da casa branca, do carro esportivo_________________________

_____________________das pessoas que ali nunca passaram fome.

mas a mulher sente____________________________________

e com o lixo sacia sua fome

engolindo

seus restos de sonhos.